segunda-feira, 24 de junho de 2013

Comissão Estadual da Verdade fará audiência pública em Foz do Iguaçu


Aluizio Palmar - jornalista e escritor, autor do livro "Onde foi
que vocês enterraram nossos mortos?"
"Adriano, ajude na divulgação da Audiência Publica da Comissão Nacional da Verdade em Foz do Iguaçu. 
Os torturados durante a ditadura e os parentes dos desaparecidos vão estar frente a frente com o autores das violações. 
Precisamos de apoio no plenário. 

Vai ser na próxima quinta-feira, dia 27, a partir das 8h30 da manhã, na Câmara Municipal. Pela primeira vez torturados e torturadores estarão frente a frente. 

Em pauta chacina no Parque Nacional do Iguaçu, Sequestro de exilados paraguaios (Anibal Abbatte Soley, Cesar Cabral, Rodolfo Mongelos e Alejandro Stumpfs, em Foz do Iguaçu e torturas no Batalhão. 


Tenho cartazes e panfletos se vc precisar".


Este pedido foi feito pelo combatente histórico contra a ditadura no Paraná, Aluízio Palmar, escritor e jornalista, autor do livro "ONDE FOI QUE VOCÊS ENTERRARAM NOSSOS MORTOS?"  que procura desvendar mais um episódio cruel da ditadura militar sobre o desaparecimento de militantes da resistência ao Golpe de 64, na região de Foz do Iguaçu - PR.

E é com muita honra que atendo o pedido.

Se já era necessário que o povo brasileiro resgatasse a verdade deste período tenebroso da nossa história, agora, com essa onda conservadora que se instalou nas ruas do nosso país, esse resgate se faz ainda mais necessário.

além de servir  para levar à nossa juventude, que corre o risco de ser utilizada como "inocentes úteis" de representantes das mesmas forças que jogaram o Brasil na ditadura militar, a verdade e o horror vivido naquela época, e procurar através da conscientização, evitar que estas forças nos joguem novamente neste pesadelo.

À luta quem nunca dormiu.


A Comissão Estadual da Verdade (CEV) do Paraná realiza nesta quinta-feira (27), em Foz do Iguaçu, audiência pública com a finalidade de ouvir vítimas e testemunhas de graves violações de direitos humanos ocorridas na região da tríplice fronteira durante a ditadura militar. O evento começa às 8h30 e será na Câmara Municipal.

A sessão, que terá a participação do Fórum Paranaense de Resgate da Verdade, Memória e Justiça e o Fórum de Direitos Humanos e Memória Popular, em parceria e com apoio da Comissão Nacional da Verdade, Secretaria de Direitos Humanos, Comissão Especial Sobre Mortos e Desaparecidos Políticos, da Comissão de Anistia do Ministério da Justiça, será aberta pela secretária estadual da Justiça, Cidadania e Direitos Humanos, Maria Tereza Uille Gomes, e terá a coordenação do presidente da CEV-PR.

A coordenação dos trabalhos será de Pedro Bodê e da coordenadora da CNV, Rosa Cardoso, com a participação do membro da CNV José Carlos Dias, co-coordenador do grupo de trabalho Graves Violações de Direitos Humanos (mortos, desaparecidos e tortura).

“Para nós, do Paraná, essa parceria com as entidades nacionais é importantíssima, absolutamente imprescindível para que possamos esclarecer as violações de direitos humanos no nosso estado”, afirma o presidente da Comissão da Verdade e professor da UFPR, Pedro Bodê. As violações que deverão ser esclarecidas aconteceram dentro de um marco nacional e fazem parte de uma decisão fundamental de se passar a limpo esse período obscuro de nossa história, disse ele. “Sem esses apoios, seria praticamente impossível a realização desta audiência pública”, afirmou Bodê.

As oitivas, realizadas pelos membros da Comissão, começarão às 9h, com uma apresentação do jornalista e militante de direitos humanos Aluizio Palmar, autor do livro “Onde foi que vocês enterraram nossos mortos?”, sobre a chacina de Medianeira. Após a apresentação, serão ouvidas duas testemunhas e um agente que participou do crime, ocorrido na estrada do Colono, no interior do Parque Nacional de Foz do Iguaçu, no Paraná.

O massacre contou com a participação de um agente colaborador que atraiu cinco militantes da Vanguarda Popular Revolucionária (VPR) - Onofre Pinto, os irmãos Daniel e Joel de Carvalho, José Lavecchia e Victor Ramos - e o argentino Enrique Ruggia, para uma emboscada montada pelo Exército no interior do Parque Nacional.

No local, cinco deles foram mortos. Ex-sargento do Exército Brasileiro, Onofre Pinto foi levado vivo e torturado em Foz até a morte. Seu corpo foi jogado numa área hoje coberta pelo lago de Itaipu.

Às 14h, a audiência será retomada para tratar do caso do sequestro dos exilados paraguaios no Brasil, Rodolfo Mongelos e Anibal Abbate Soley, sequestrados em Foz e conduzidos até um sítio em Goiás, onde foram barbaramente torturados. As vítimas farão o seu relato no evento.

Às 16h, a audiência prosseguirá com a oitiva de três vítimas de prisões e torturas no Batalhão do Exército de Foz do Iguaçu. Um agente do período foi convocado.

No dia 28 pela manhã, também na Câmara de Vereadores de Foz, caso não seja possível cumprir toda a agenda no dia 27, será ouvido o coordenador do Movimento de Justiça e Direitos Humanos, Jair Krischke, que falará sobre a Operação Condor. Em seguida, haverá uma exposição sobre violações de Direitos Humanos de indígenas da etnia Avá-Guarani.

Ao final do evento está prevista uma visita ao 34º Batalhão de Infantaria Motorizada e à pedra fundamental do Memorial da Resistência.

sexta-feira, 21 de junho de 2013

TEM DIREÇÃO SIM

Foto: EI REAÇA, VAZA DESSA MARCHA

TEM DIREÇÃO SIM

Ontem (20/06) fui à Esplanada dos Ministérios e acompanhei a manifestação que ocorreu naquele lugar.

A principio, parece que este movimento não tem direção ou bandeiras especificas, mas uma coisa me chamou a atenção.

Um grupo em frente ao Congresso Nacional se envolveu em um conflito com a policia que estava impedindo a subida dos manifestantes ao mesalino do prédio, como ocorreu na manifestação passada.

Ao ser dispersado com spray de pimenta e depois com gás lacrimogênio, essa "massa" se direcionou diretamente ao Itamaraty no intuito de invadir este prédio e causando cenas lamentáveis de depredação e vandalismo.

Neste grupo, que não era tão pequeno, (cerca de uns 500) o que me chamou a atenção, foi a rapidez da decisão de, depois de dispersado de um local, de se dirigir ao outro.

Num movimento teoricamente sem líderes, essa rapidez de decisão, me deu a impressão que esse grupo tem um plano A e um plano B.

Não teve discussão, foi direto, como se já houvesse uma definição prévia do que fazer.

Só quando estavam já invadindo a Itamaraty, foi que ouvi umas pessoas dizendo "palavras de ordem" ou algo parecido (Uh! Uh! Vamô invadi!) incitando os demais manifestantes a acompanhar a ação deste núcleo mais radical.

E isso não é a característica de um movimento de massas sem direção, é de quem se reuniu e discutiu o que fazer, como fazer, pre-definir alternativas, enfim, um movimento organizado, dentro de um movimento disperso, sem lideranças e portanto "desorganizado.

Se esta impressão pessoal se confirmar, resta saber quem são estes organizados, o que querem e o quem defendem ou a serviço do que ou quem estes grupos radicais estão.

quarta-feira, 19 de junho de 2013

Hoje o que está em jogo, não é uma outra forma de exercer a democracia, o que está em jogo é a própria democracia.

Que venha um tsunami vermelho para contribuir e definir as bandeiras que são caras ao povo brasileiro e evitar que o fascismo, o ódio e a criminalização dos partidos de esquerda e das causas populares sejam postas de lado e também evitar que os ataques a democracia se tornem maiores do que estão agora.



No Mau Dia Brasil de hoje (19/06) o Chico Pinheiro veio falar que 50 mil se reuniram ontem nos protestos em SP, informando que um pequeno grupo radical tentou invadir a prefeitura. (óbvio ululante que já acompanhamos ontem pelas redes).

Só esqueceu de dizer que este pequeno grupo era compostos por radicais de direita, que queimaram bandeiras do Brasil,  bradando atrocidades como "Foda-se o Brasil", queimando a bandeira brasileira e reprimindo a participação de partidos de esquerda no protesto. (veja aqui)

Esqueceu também de informar que a PM ficou quietinha, deixando cinicamente que os radicais de direita continuassem sua barbarização, parecida com a atitude de "cruzar os braços" como ocorreu na Virada Cultural em SP, meses atras, coisa que não fez quando nas primeiras manifestações, iniciaram uma repressão contra manifestantes sem motivo.

Orquestrado na minha opinião.

Olha amigos, com todo o respeito ao MPL e a sua forma inovadora de mobilização, mas um movimento tem que ter direção.

Defendo que TODOS os partidos de esquerda, que TODAS as organizações sociais populares, TODOS os sindicatos, entidades estudantis, se somem nessa manifestação, usem suas bandeiras, (das entidades e partidos) levem suas camisetas, carros de som, montem palanques etc.
Que venha um tsunami vermelho para contribuir e definir as bandeiras que são caras ao povo brasileiro e evitar que o fascismo, o ódio e a criminalização dos partidos de esquerda e das causas populares sejam postas de lado e também evitar que os ataques a democracia se tornem maiores do que estão agora.

Hoje o que está em jogo, não é uma outra forma de exercer a democracia, como propõe o movimento, o que está em jogo é a própria democracia.

Daí quem perde somos TODOS NÓS!



terça-feira, 18 de junho de 2013

É proibido proibir

Essa imagem  é um ícone do movimento pelas diretas, e de baixo dessa bandeira do Brasil tremulavam milhares de bandeiras de partidos políticos.


Eu fiz aqui criticas à tentativa de instrumentalização de partidos como o PSOL e o PSTU procuravam fazer em relação ao movimento que desencadeou as maiores manifestações populares de rua no Brasil nas ultimas décadas.

Isso porem não me faz acreditar que estes partidos não tenham o direito de caminhar junto ao movimento.

Uma coisa é a gente discordar da opinião de uma determinada corrente política, outra é condenar seu direito  de participar de um ato politico.

Negar a importância destes ou de outros partidos que tem um histórico de lutas populares é um equivoco que o movimento pelo passe livre tem que rever.

Uma coisa é não ter opção por partido algum, outra é condenar o colega que caminha junto e que corre ops mesmos risco nessa caminhada de ter essa opção!

Eu sou do PT e tenho orgulho de portar minha camiseta com a estrela, não tenho nada que me envergonhe na minha militância, sempre achei legitimo o movimento e não quero ser rechaçado por portar na minha camisa, bandeira, bandana, minha preferencia política.





Ei reaça, vaza dessa marcha


REPRODUZO IPSIS LITTERIS SEU CONTEÚDO, ATÉ AQUELE QUE FAZ CRITICA A SETORES DO PT.


Não, reaça, eu não estou do seu lado. 

Não vem transformar esse protesto legítimo em uma ação despolitizante contra a corrupção. 

Não vem usar nariz de palhaço, não tem palhaço nenhum aqui. 

Agora que a mídia comprou a manifestação tu vem dizer que acordou?

O povo já está na rua há muito tempo, movimentos sociais estão mobilizados apanhando da polícia faz muito tempo. 

São eles os baderneiros, os vândalos, os que atrapalham o trânsito. Movimento pelo transporte, Movimento Feminista, Movimento Gay, Movimento pela Terra, Movimento Estudantil…

Ninguém tava dormindo! 

Essa violência que espanta todo mundo não é novidade, não é coisa de agora. Acontece TODOS os dias nas periferias brasileiras, onde não tem câmera pra registrar ou repórter para se machucar e modificar o discurso da mídia.

Não podemos admitir que nossa luta seja convertida pela direita numa passeata contra a corrupção. 

Não é uma causa de neoliberais. Não é uma causa pelos valores e pela família. Não estamos pedindo o fim do Estado – pelo contrário! – Esse “Acorda, Brasil” não tem absolutamente NADA a ver com a mobilização das últimas semanas.

Então se tu realmente acredita que a mídia tá do nosso lado, abre os olhos! São muitas as maneiras de se acabar com um levante: força policial, mídia oportunista, adoção e desconstrução do discurso…

“Não é nem um pouco fácil entender a proporção que as coisas estão tomando no Brasil. Os protestos estão cada vez mais heterogêneos, e amanhã (ontem 17-06) vai ser um dia gigante e imprevisível. 

Protestos são convocados por desde movimentos libertários e autogestionados (que se encontram na gênese das manifestações) até pelas páginas ufanistas/moralistas/udenistas como a anti-petista Acorda Brasil, que dissemina desinformação e preconceito de classe. 

Se esse choque de alteridades pode ser potente, também pode gerar desmobilização numa questão de semanas. 

Começou a disputa pelos sentidos da efervescência. 

Reacionários estão determinados a também sair do facebook e transformar a insatisfação coletiva numa versão inchada do elitista Movimento Cansei, com sua pauta moralista e anti-petista.

Por outro lado, governistas estão mais preocupados em deslegitimar as manifestações e em blindar os governos petistas, que não se pronunciam sobre o que acontece por não conseguirem compreender o novo, e quando se pronunciam, não conseguem romper com o emcimadomurismo. 

A multiplicidade de pautas que desaguam nessa insatisfação generalizada torna impossível vislumbrar os rumos que as coisas irão tomar. 

Será árdua a tarefa de disputá-los.”

Picolé Paz & Amor: "Pedi pra PM não usar bala de borracha" - Será que é a deixa pra na próxima usarem balas de verdade?

Hoje no Estadão, Alckimin tenta dar uma de bom moço.

A arrogância e o cinismo de certos políticos são imensuráveis.

Todo mundo sabe a forma que os tucanos tratam todo e qualquer movimento social, já vimos isso recentemente no Pinheirinho, na questão da Crackolândia na USP e semana passada na repressão contra os manifestantes do MPL.


Eles criminalizam, reprimem, espancam, prendem, mostrando que eles estão dispostos a tudo, menos dialogar.

Sempre contando com o apoio e a blindagem dos grandes jornalões e canais de TV, que o ajudam  passar essa visão "autoridade" do governo,  e eles barbarizam, onde a repressão ocorre nos mesmos moldes da repressão vista na ditadura militar.


O Estadão diz que agora o governador Geraldo Alckimin quer dialogar com os pessoal do MPL.

Para ele e para o PIG (sempre em sintonia) até dias atras as manifestações eram caso de polícia.

O diálogo era na base da cassetete, de balas de borracha e de spray de pimenta.


Tentando passar a imagem de um politico aberto ao debate afirmou:


"Olha, nós até determinamos para a polícia que não usem balas de borracha"


Resta saber o que isso significa:
Pode ser a deixa pros PMs usarem balas de verdade na próxima manifestação!

Dilma: "O Brasil hoje acordou mais forte"





A presidenta Dilma Rousseff elogiou, nesta terça-feira (18), o civismo da população brasileira, que foi às ruas em manifestações nas principais cidades do país. Segundo Dilma, foi bom ver tantos jovens e adultos defendendo um país melhor. Em discurso, a presidenta disse ainda que está ouvindo as vozes pela mudança.


“O Brasil hoje acordou mais forte. A grandeza das manifestações de ontem comprovam a energia da nossa democracia. A força da voz da rua e o civismo da nossa população. É bom ver tantos jovens e adultos, (…) juntos com a bandeira do Brasil, cantando o hino nacional e dizendo com orgulho ‘sou brasileiro’ e defendendo um país melhor”, disse.



A presidenta afirmou que seu governo está empenhado e comprometido com a transformação social. Ela citou como exemplo a elevação de 40 milhões de pessoas à classe média. Segundo Dilma, as pessoas mudam porque o Brasil mudou, com mais inclusão, elevação de renda, acesso ao emprego e à educação.


“Surgiram cidadãos que querem mais e que tem direito a mais. Sim, todos nós estamos diante de novos desafios. Quem foi ontem às ruas querem mais. As vozes das ruas querem mais cidadania, mais saúde, mais educação, mais transporte, mais oportunidades. Eu quero aqui garantir a vocês que o meu governo também quer mais, e que nós vamos conseguir mais para o nosso país e para o nosso povo”, afirmou.

sábado, 15 de junho de 2013

Rest in peace direita brasileira.



Dizem que no estertor da vida, nos últimos suspiros, um moribundo tem sempre algumas pequenas satisfações passageiras (bem passageiras dado o estado terminal do infeliz).

Pois é, essa vaia que a Dilma recebeu no Mané Garrincha é uma dessas pequenas satisfações que a moribunda direita no Brasil terá.

Deixem que eles se deleitem... 

Afinal, nós nunca iremos tripudiar em cima de nenhum futuro cadáver, nem tirar a pequena satisfação de quem está em estado terminal.

sexta-feira, 14 de junho de 2013

DILEMAS DA ESQUERDA NO BRASIL - Por Diogo Costa



Comentário ao post "O afastamento do governo Dilma dos movimentos sociais"

Por Diogo Costa



DILEMAS DA ESQUERDA NO BRASIL - Escutam-se murmúrios, aqui e alhures, sobre o impasse da reforma política, da democratização das comunicações, da reforma agrária e de outros temas sensíveis aos anseios populares. Alguns mais afoitos são os primeiros a decretar: "A culpa é do PT"! Será?
Nem é preciso ser um cientista político renomado para saber que reformas estruturais não se fazem com uma varinha mágica de condão. Se fazem com a aprovação de projetos via legislativo, dentro dos marcos da democracia liberal burguesa clássica, ou através de uma revolução social como a Revolução Francesa de 1789 ou a Revolução Russa de 1917. No caso do Brasil, temos o horizonte das reformas dentro da democracia liberal, posta e garantida pela Constituição.
Uma pessoa medianamente informada sabe que para se aprovar um simples projeto de lei no Congresso Nacional, são necessários os votos de 257 deputados federais e de 41 senadores. Sabe também que para se aprovar uma Emenda Constitucional são necessários os votos de 308 deputados federais e de 49 senadores. Pois bem, o PT tem apenas 87 deputados (16,9% do total) e 12 senadores (14,8% do total). Logo, vê-se que o argumento de que o PT não faz reformas porque não quer fazê-las, ou porque tem medo, é uma falácia.
Mas é preciso ir mais além. Aqui e acolá surgem idéias de alguns apressados (e equivocados) dizendo que o PT deveria aprofundar e tornar preferencial sua aliança com o PMDB, tornando-a mais sólida no Congresso Nacional, pois os dois maiores partidos garantiriam, com folga, as votações mais importantes. É mesmo? Nem que o PMDB fosse o partido mais coeso e fiel da face da Terra estaria garantido que apenas ele e o PT pudessem implementar sozinhos qualquer tipo de reforma! A soma de PT e PMDB garante 168 deputados e 32 senadores. Ou seja, não aprovariam nem um mísero projeto de lei.
Agora vem o drama da esquerda. A esquerda (PT, PSB, PC do B, PDT e PSOL) não tem sequer 1/3 dos votos no Congresso Nacional. Destes menos de 1/3 dos votos o PT responde por pouco menos da metade. Pior do que isso é o fato de que em temas como a reforma política e a democratização dos meios de comunicação nem mesmo a esquerda é capaz de apresentar propostas conjuntas. O PSB e o PDT são contra a reforma política (já haviam votado contra em 2007) e contra uma Ley de Medios 'Made in Brazil'. Ou seja, é outra rotunda falácia dizer que o PT não faz reformas porque não quer fazê-las ou porque tem medo das mesmas. Se o PT não tem o apoio sequer de alguns dos partidos de esquerda, como uns e outros pretendem que as reformas estruturantes sejam aprovadas? Só se for com a famosa varinha mágica de condão...
Outro argumento falacioso é o de comparar a situação brasileira com a situação política totalmente distinta existente em outros países da América do Sul, notadamente na Venezuela, na Bolívia ou no Equador. Nada mais fantasioso e falso! Se o PT tivesse a força que tem o PSUV na Venezuela ou a força do MAS na Bolívia, todas as reformas estruturais já estariam feitas há muito tempo. Ocorre que o PT não tem toda essa força. O PT lidera uma coalizão de partidos, o PT não governa sozinho. O PT não tem 308 deputados federais e também não tem 49 senadores. Se tivesse essa maioria consolidada, como os congêneres partidos venezuelano e boliviano tem, e, ainda assim não fizesse as reformas, todas as críticas do mundo seriam corretas e pertinentes. Mas não levar em conta as diferenças dos processos sociais existentes em diferentes países torna as críticas inconsistentes.
Seria até interessante ver em 2014, por exemplo, uma vitória do PSOL para a presidência da república. Plínio de Arruda Sampaio eleito e subindo a rampa com seus hipotéticos 10 deputados federais e hipotéticos 05 ou 06 senadores. Certamente em seis meses o Brasil veria a concretização das aspirações dos movimentos populares! Em seis meses teríamos a aprovação de todas as reformas progressistas de que o país necessita há décadas! Tirando a ironia, vale destacar que isso não valeria só para o PSOL, se vencesse o pleito de 2014 ou outro pleito qualquer, isso valeria e vale também para o PSTU, para o PSB, enfim, vale para qualquer partido político. Ou seja, a vida não é um mar de rosas e nem se passa numa película em preto e branco. A disputa política envolve uma série de mediações que jamais podem ser desconsideradas. Entre o slogan e a vida real existe uma considerável distância que só é vencida com o acúmulo de forças, não com palavras de ordem ou arrivismos.
Os mais inocentes deveriam saber também que em 1964 o antigo PTB, que propugnava pelas corretíssimas reformas de base, tinha uma representatividade parlamentar muito maior que a representatividade parlamentar que o PT tem no Congresso Nacional nos dias de hoje. E aí, será que o antigo PTB, com força congressual muito maior que o PT atual, também não fez reformas porque não quis ou teve medo? Será que caiu por culpa de seus próprios defeitos e limitações?
Esse é o grande enigma da política brasileira atual e a origem do impasse que entrava e paralisa as reformas estruturais. O problema do país não é o PT ou a esquerda, mas a debilidade do PT e da esquerda. O PT precisaria ter o dobro do tamanho que tem! A esquerda precisaria ter o dobro do tamanho que tem! Esse é o fato concreto. E aí quando o PT propõe temas como a reforma política, que beneficiaria todos os partidos programáticos e enterraria os fisiológicos, setores da esquerda votam contra... A 'culpa' é de quem mesmo?
Enfim, na atual conjuntura não resta outra saída a não ser continuar lutando pelas transformações sociais, discutindo temas estruturais e fomentando a participação dos movimentos sindicais, estudantis e sociais. É preciso aumentar a massa crítica em favor das reformas e saber que, sem mobilizações sociais de grande monta, fica muito difícil aprovar qualquer tema mais polêmico. O que não dá é para cair no conto do vigário de que os males da humanidade são culpa da 'paúra' do PT. Isso é uma bobagem pueril.
Há um enorme espaço para o crescimento da esquerda em Pindorama, desde que os militantes de esquerda critiquem a direita! Enquanto esses militantes se detiverem na inglória tarefa de tentar destruir o Partido dos Trabalhadores, continuarão apenas a cumprir um triste e profundamente equivocado papel.

PM diz que vinagre pode virar bomba - RESPOSTA DE "JÊNIO"

Thiago de Araújo, do R7
Confronto entre PMs e manifestantes terminou com 241 detidos - Rocha Lobo/Futura Press/Estadão Conteúdo




Medida recorrente para quem conhece manifestações, o uso do vinagre para diminuir os efeitos do gás lacrimogêneo virou motivo de prisão durante o quarto protesto contra o aumento da tarifa do transporte coletivo em São Paulo, realizado nesta quinta-feira (13). Mais de 30 pessoas foram detidas entre as 16h e 17h por portarem o alimento. Elas foram reunidas na Praça do Patriarca, onde a PM (Polícia Militar) montou sua estrutura para a operação.

De acordo com o responsável pela ação, o tenente-coronel Ben-Hur Junqueira, o vinagre representa uma série de riscos em grandes aglomerações de pessoas. Ele chegou a dizer que a substância pode dar origem a uma bomba, embora não tenha dado mais detalhes de como chegou a essa conclusão.

— Estão fazendo mistura de vinagre com outras substâncias, o que pode vir a dar origem a um objeto que pode virar até uma bomba.

Marcado por maior repressão e violência, quarto dia de protesto tem mais de 240 detidos

O oficial não viu também qualquer incoerência em deter pessoas com "perfil de manifestante" e que portassem objetos considerados "suspeitos e incomuns de serem portados". Ele ainda questionou a alegação de que o porte de vinagre dependeria de uma análise técnica mais apurada.

— Não tenho condições de pegar uma garrafa e saber que é vinagre. Pode ter cheiro e cor de vinagre, mas só quem vai dizer com certeza o que é isso é o IC (Instituto de Criminalística). É preventivo o que estamos fazendo [as prisões].

Um repórter da revista Carta Capital foi preso antes da manifestação
justamente por portar vinagre. 

Nem mesmo a justificativa de que carregava o produto apenas para evitar os males do gás lacrimogêneo bastou para os policiais. O responsável pelas operações da PM ressaltou a necessidade da ação preventiva.

— Isso até hoje não foi comprovado [efeito do vinagre sobre o gás lacrimogênio]. A polícia não tem até hoje a confirmação de que o vinagre quebra o efeito químico das substâncias que nós usamos. Mas como vou saber que é vinagre? Parece vinagre, mas...

Na verdade...


Foto: Novo Código Penal em Sampa:

Proibido portar substancias que visam amenizar os efeitos das bombas de gás que a PM lança sobre as pessoas.

Punição: Detenção sem maiores detalhes

Motivo: Inviabiliza ações de higienização, de desocupação ou de simplesmente atender ao interesse sádico da PM de um governo nazista em descer a lenha em  qualquer um.


Novo Código Penal em Sampa:

Proibido portar substancias que visam amenizar os efeitos das bombas de gás que a PM lança sobre as pessoas.

Punição: Detenção sem maiores detalhes

Motivo: Inviabiliza ações de higienização, de desocupação ou de simplesmente atender ao interesse sádico da PM de um governo nazista em descer a lenha em qualquer um.

NOTA DA EXECUTIVA MUNICIPAL DO PT



Diretório Municipal do PT-SP

As recentes manifestações na cidade de São Paulo contra o aumento da tarifa de ônibus, trem e metrô para R$3,20, lideradas por vários movimentos sociais, dentre eles o MPL Movimento do Passe Livre, trazem para pauta do dia as péssimas condições de transporte e de descaso com a mobilidade urbana na cidade de São Paulo nos últimos anos.

O Diretório Municipal do Partido dos Trabalhadores vem, através de sua Executiva, trazer algumas considerações sobre os acontecimentos.

A defesa por um transporte público de qualidade para todos os paulistanos sempre foi uma bandeira do partido. Foram nas gestões petistas na cidade que tivermos os maiores avanços nesta área, tais como Bilhete Único (que permitiu a maior economia da historia para os usuários frequentes do sistema de ônibus), corredores de ônibus, integração com os Terminais, enfim uma efetiva prioridade para um sistema público eficiente e mais barato para o usuario.

O Partido dos Trabalhadores sempre defendeu a legitimidade dos movimentos populares na luta por melhorias, seja no transporte, saúde, habitação e demais serviços públicos, de forma pacífica, democrática, com total liberdade de expressão.

Os focos localizados de violência, praticados por parte de alguns manifestantes ocorridos nos últimos três dias na cidade de São Paulo não podem levar à criminalização da luta legítima por transporte público e de qualidade na cidade.

Repudiamos a ação truculenta e sem dialogo da Polícia Militar do Estado de São Paulo, que tem sido a mesma nas greves de Professores do estado, da saúde, dos movimentos populares em geral, sob o comando das gestões do PSDB no Estado.

O Governo Democrático e Popular liderado pelo prefeito Fernando Haddad já está apresentando para população de São Paulo ações que constam em nosso Programa de Governo na área de transporte público, como Bilhete Único Mensal que começará a funcionar em novembro agora, que reduzirá custos com o transporte para muitos paulistanos, a construção de 150 km novos de corredores na cidade para ampliar a velocidade média dos ônibus, também serão licitados 11 novos terminais, nas zonas Sul, Leste e mais um na zona Norte.

Teremos também a ampliação das ciclovias na cidade, fazendo com que o trabalhador possa deixar o carro em casa e se dirigir a um metrô ou terminal usando a bicicleta.

Pela primeira vez nos últimos anos o reajuste da tarifa foi muito abaixo da inflação, exigindo um enorme esforço orçamentário da prefeitura que levará a um subsidio recorde de mais de 1,2 bilhões de reais. O prefeito cumpriu o que prometeu na campanha: reajustes abaixo da inflação.

Sabemos bem, porque estamos nesta luta há décadas, que o transporte continua caro e pesa muito no bolso do trabalhador e das famílias.

É necessário discutir seriamente as formas de financiamento de uma tarifa menos onerosa para a população.

A presidente Dilma já deu o primeiro passo, desonerando o transporte público do pagamento do PIS-COFINS. Precisamos avançar mais. O Estado de São Paulo pode e deve desonerar o ICMS do diesel para o transporte publico, permitindo abaixar ainda mais a tarifa. E registramos ainda que é necessária uma fonte permanente de subsidio à tarifa, oriunda daqueles que utilizam o transporte particular.

Dirigimos-nos a todos que lutam por transporte publico de qualidade e com tarifas mais baixas para estabelecer uma pauta programática com objetivos de curto e médio prazo para ampliar esta luta.

A negociação de uma pauta de melhoria do transporte público e de tarifas menos impactantes aos usuários do sistema exige um desarmamento de espíritos e a busca do diálogo. Temos a certeza que o prefeito Haddad tem essa disposição. Da nossa parte buscaremos com todas as forças criar condições para esse diálogo entre todos que lutam por uma cidade mais justa.



São Paulo, 14 de junho de 2013.

Executiva Municipal do Partido dos Trabalhadoresa

LABORATÓRIO DE REVOLUÇÃO A BASE DE CACETADA EM LOMBO ALHEIO


Já manifestei que acho os protestos contra aumento de passagem em SP e em qualquer outro lugar do Brasil um movimento legitimo, popular e que abre a discussão sobre a mobilidade urbana, onde se paga caro por serviços de péssima qualidade.

Já falei que defendo que o Prefeito Haddad seja o precursor de abrir o dialogo com os manifestantes

Já disse que a unica coisa que eu discordo do movimento é a insistir na tal da horizontalidade, onde ao mesmo tempo que ninguém dirige o movimento, todos o dirigem.

Para mim isso serve para que grupos de direita se sintam no direito de usarem o movimento para atender a sua agende de blindar o governador (responsável pela repressão ao movimento - e que também é responsável pela repressão a qualquer outro movimento popular reivindicatório - vide Pinheirinho, Crackolandia protestos de professores etc, etc e tal).

Já disse também essa horizontalidade serve para que grupos de extrema esquerda (que se parecem cada vez mais com grupos conservadores) usarem o movimento como LABORATÓRIO DE REVOLUÇÃO, o que considero ainda mais criminoso.

Criminoso pois usam oportunamente o desejo de melhorias legítimos da grande maioria do povo, não no intuito de resolver a questão, de se chegar num consenso, ou até a ganhar a causa, mas justamente o contrario, querem mesmo que não seja resolvido nada, para que tenham por ao menos algumas semanas um pouco de holofote, de discurso, nem se importando com o que pode acontecer com o povo que tá lá legitimamente lutando por algo.

Esse pessoal não mobiliza, não tem bandeiras legitimas e concretas.

Precisa se apossar de movimentos legítimos para fazer esses laboratórios de revolução com o couro alheio.

Aprendi desde cedo que a humanidade avança e retrocede, tem que ser inteligente para saber como capitalizar os avanços e amenizar as retrocessões.

Ao incentivar a quebra na sede do PT Nacional em e em hostilizar militantes do PT que se prontificaram a estar lado a lado com os manifestantes, e ao mesmo tempo não hostilizar pessoas com camisa dos EUA e bandeira pichada do Brasil. esses "revolucionários" capitalizam o que retrocede e amenizam, ou pior, inviabilizam os avanços.

Espero que isso não venha a ocorrer, mas se uma fatalidade ocorrer, se um cadáver aparecer, nós sabemos a quem culpar.

O governo nazista do estado de SP e sua histórica repressão a todos e quaisquer movimentos sociais e populares e a extrema esquerda que não quer perder a bandeira fácil para fazer suas experiencias pseudo revolucionárias à base de cacetada em lombo alheio.



PROTESTO EM SP: Policial quebra vidro de sua viatura



Clique no link pra ver policial quebra vidro de sua viatura pra justificar a pancadaria...

Dizem que uma imagem vale mais do que mil palavras...

E nesse caso as táticas de Goebells das mil mentiras que se tornam verdades caem por terra...

Viva a inclusão digital

PS. Não consegui publicar o vídeo.